Faça o que eu digo, não faça o que eu faço

Faça o que eu digo, não faça o que eu faço

Reconheça seus privilégios… cada um deles… nem que tenha que inventar alguns para reconhecer.  Afinal, não importa como está a tua vida… tu certamente és uma privilegiada. E parte desse privilégio é não estar no meu lugar de mulher branca, de classe média, com ensino superior, sem deficiências, em um relacionamento estável e satisfatório.

Pratique sororidade com as irmãs.
Principalmente no momento que pensar em me criticar por espalhar boatos sobre a vida das outras, ou vais desconsiderar a pressão que eu sofro da sociedade para fazer justamente isso?

Tenha filhos, o mundo precisa deles.
Mas somente os que puder educar como eu acho certo, nas escolas que eu aprovo, com as roupas, brinquedos e historias que eu indico, e jamais questione a minha liberdade de não te-los.

Questione a felicidade de qualquer relacionamento, afinal eles sempre são ditados pela sociedade opressora. excluindo o meu, que quebra todos os padrões, mesmo parecendo bem “dentro das normas”

Não só evite usar, mas repudie o consumo de drogas… todas elas!
menos a cervejinha que preciso tomar antes de dormir. Ou o rivotril que controla a minha ansiedade.

Viva plenamente a sua sexualidade.
A menos quando as tuas vontades contrariam a minha crença de que sei o que é melhor pra ti, ou o que/quem te da mais prazer.

Escreva poesias…. declame!
Mas jamais romantize uma relação heterossexual! Ela só pode ser fruto do patriarcado! E óbvio… poesias só são boas se escritas por mulheres que ME representam.

Recrimine qualquer tipo de violência que presenciar.
Só ignore quando a violência for praticada por mim, contra uma pessoa com menos acesso, menos empoderamento, menos oportunidades. ok?

Dance para exorcizar seus demônios.
E boicote as mesmas musicas em função de boatos sobre a vida pessoal do cantor/cantora.

Baixe a cabeça e peça desculpas se for pega descumprindo essas normas. e NUNCA questione se eu não faço o que prego. só estou exercendo a MINHA liberdade.

Até quando vamos ditar normas umas nas vidas das outras?
Até quando vamos nos achar melhores do que as outras?
Até quando vamos acreditar que o que serve na minha vida é exatamente o que outra pessoa precisa na vida dela?
Até quando vamos ignorar as nossas próprias fraquezas?
Até quando vamos julgar as escolhas das outras?
Até quando vamos agir como se só houvesse uma forma de empoderar-se?
Até quando vamos defender com unhas e dentes ideias que nem concordamos, só por estarem “na moda”?
Até quando vamos julgar quem busca o melhor pra si, mesmo que contrariando o senso comum?

 

AuthorJúlia Flôres

Sou fotógrafa, publicitária, assessora de comunicação e "responsável técnica" por esse espaço! Descobri o movimento social em 2 mil e poucos... desde então acompanho muitas lutas, que de certa forma me mostraram a importância de cada batalha em defesa dos direitos humanos.

3 replies to Faça o que eu digo, não faça o que eu faço

  1. Matou a pau, Júlia!

  2. Boas palavras, bons teus questionamentos.Gostei da tua opinião e respeito. Só uma coisa, que não entendi muito bem em relação a romantização das relações heteros ser fruto do patriarcado…Sou bem romântica, mas não romantizo e não aprovo nenhuma relação que sufoque, que oprima… E isso não ocorre só nas relações heteros…

    Ah, Julia…meu pai foi um excelente escritor e poeta, escrevia coisas lindíssimas, trago em mim muito do que ele me ensinou. Tenho alguns poetas homens que admiro. Sim, temos mulheres que escrevem bem pra caramba. Sabem como tocar a alma apartir da perpectiva feminina e óbvio que me encanta quando o feminismo nos cobra posturas em relação à sororidade. Essa prática tem que ser diária…Jamais aceitar que desconstruir uma mulher pra conquistar espaços é natural, pois não é, isso sim é fruto do patriarcado…e sabemos, tem muitas ao nosso redor que reproduzem a pratica machista, oriunda do patriarcado. Um beijo Julia…continue escrevendo

    • Justamente Lucia!
      cada pessoa é unica… cada relação é unica… me incomoda muito o determinismo desenfreado que algumas pessoas pregam ao lutar contra certos comportamentos… como dizer que nenhum relacionamento hétero pode ser positivo por existirem casos de violência…
      beijão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *