Sobre a representatividade trans na política

Legenda foto: Georgina Beyer, primeira mulher trans eleita para um parlamento De acordo com dados de 1º de setembro de 2018 da Inter-Parliamentary Union, as mulheres são maioria em apenas três dos 193 países pesquisados. A liderança do ranking cabe à

Colorir listas para mudar a política

As mulheres representam, no Brasil, pouco mais da metade da população (51,5%). Porém, a presença feminina ainda é muito pequena no parlamento. No Senado Federal, doze cadeiras são ocupadas por mulheres (14,81%). Já na Câmara dos Deputados, 51 mulheres atuam

Advocacia feminina: dez (ou mais) casos para pensarmos a respeito do machismo nosso de cada dia

Quando me propus a contribuir para o Blog Mosaicos Feministas logo pensei: vou escrever sobre as minhas vivências na advocacia, pois convivo com muitas pessoas no dia a dia do exercício da profissão, desde colegas de escritório – advogados e

A falta de representatividade no estereótipo da telejornalista brasileira

Imagine a imagem de uma telejornalista. Pensou em uma mulher branca, de cabelos castanhos, lisos e na altura dos ombros, bem maquiada e magra? Se não, pensou em pelo menos duas dessas características juntas? Esta imagem não foi criada na cabeça das

Especial maternidades: Mãe solo e negra, um ativismo solitário

Caroline Moreira* Falar de maternidade solo e feminismo negro é falar de um ativismo totalmente solitário. Busco no coletivo e na força de minhas irmãs de lutas motivos para permanecer lutando e ocupando espaços que não foram feitos para mim

Só pra dizer “oi gente!”

Só pra dizer “oi gente!”

Sério vocês vão fazer mais um blog feminista? Já não basta tantos outros que existem por aí? Se quiserem,  mando uma lista com uns quantos…

É, é mais um blog sobre feminismo sim! Sobre feminismos, de fato.

Nós cinco nos desafiamos a falar das vivências de cada uma e a desafiar outras mulheres a fazerem o mesmo. Temos entre nós diferenças etárias, de classe social, de formação e de constituição familiar e sabemos que isso não é o suficiente para formar um panorama sobre as questões de gênero que estão presentes no dia-a-dia das brasileiras.

Nossas histórias de vida se encontraram em momentos diferentes da nossa formação enquanto cidadãs do mundo e fizeram cada uma de nós reavaliar os conceitos, ou preconceitos, que temos e muitas vezes não nos damos conta, seguimos nos questionando diariamente e não temos a intenção de parar com essa reflexão.

Então, se você gosta da ideia, tem alguma reflexão sobre ou quer pensar no modo como as coisas funcionam, não apenas no seu mundo, esse é um espaço aberto para isso.

Além de um espaço de troca de experiências e questionamentos, queremos que o Mosaicos também sejam um meio de comunicação sobre acontecimentos, eventos e debates ligados principalmente ao tema de gênero, mas sem excluir os outros setores da nossa sociedade e de nossas vidas.

A ideia é que tenhamos textos novos nas noites de domingo, de forma alternada entre nós e quem mais quiser contribuir… Para isso, vamos precisar da sua ajuda, seja colaborando com textos, sugestões, convites de eventos (que compartilharemos aqui nesse espaço) ou simplesmente lendo nossos textos, curtindo nossas redes sociais, compartilhando nossas publicações.

Qualquer forma de participação é válida! 😉

Vem com a gente construir esses mosaicos sobre os feminismos possíveis na nossa sociedade!

Contamos com você!

Júlia Flores, Julia Lanz, Monique Prada, Nati Flores e Renata Zardin